Cinema – Crítica: Vendeta (2018)

Numa altura em que a indústria cinematográfica e os movimentos sociais que lhe perseguem vão ditando algumas tendências para as temáticas dos filmes que vão estreando, eis que aparece a estreia no grande ecrã da francesa Coralie Fargeat, com Vendeta, protagonizado por Matilda Lutz.

Revenge_Vendeta_PosterPTVendeta conta a história de Jen (Lutz), uma jovem que se encontra numa situação desesperante: Está perdida no meio do deserto, depois dum amigo do seu amante lhe ter violado.
Ferida e revoltada, esta busca a derradeira vingança, de fazer arrepender os homens pelas suas acções.

Todas as associações feministas que o filme tem feito no último ano, depois da sua estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Toronto no ano passado, nem sempre são as mais certeiras. Sim, é um filme realizado por uma mulher e protagonizado por uma, mas Vendeta vai mais longe que isso.

Revenge_Vendeta_02

Tudo o que se vê no filme, desde dos grandes planos duma paisagem vazia, ao gore de ver um pé cortado a esguichar sangue; é relevante para contar esta história de rape-revenge, muito ao estilo dos exploitation films dos anos ’70 e ’80, como Mulher Violada (1978) e Vingança de uma Mulher (1981), como também de obras modernas como Kill Bill e a trilogia vingativa do sul-coreano Park Chan-wook.

Revenge_Vendeta_01

Ainda que por vezes, Vendeta mostra-se excessivo, metendo os dedos dos pés no sobrenatural, a verdade é que entre uma realização cuidada e detalhada, uma banda sonora electrizante, cortesia Robin Coudert e uma protagonista com um objectivo que a põe num caminho de retribuição, temos aqui todos os ingredientes para algo verdadeiramente memorável.

Nota: 8.5/10

Ricardo Du Toit

  Birds of Prey tem novos pósters de personagens

Ricardo Du Toit

Fã irrepreensível de cinema de todos os géneros, mas sobretudo terror. Também adora queimar borracha em jogos de carros.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *