Cinema: Crítica – The House That Jack Built (2018)

O mundo está farto de Lars Von Trier. Ou será o inverso? Seja como for, o realizador dinamarquês deu mais um passo em frente na sua carreira como auteur, com The House That Jack Built.

TheHouseTheJackBuilt_03

Ouvimos a narração de Jack (Matt Dillion), um assassino em série que introduz o seu diálogo com um homem desconhecido, que se dá pelo nome Verge (Bruno Ganz). Ao longo de cinco incidentes, aleatoriamente escolhidos, Jack conta-nos as suas experiências de alguns dos crimes que cometeu nos últimos 12 anos. Jack é um homem com uma patologia estranha: um assassino com OCD, um problema real que incomoda o espectador com as suas explicações excessivas e um raciocínio duvidoso. acreditando que o homicídio e a arte têm muito em comum.

Este é capaz de ser o filme que mais representa a visão do mundo de Von Trier, pelo menos como calculamos que o vê com os próprios olhos. As mulheres são alvos fáceis para abuso, estúpidas e sem um pingo de dignidade, algo que já vem de outras obras na sua filmografia e que neste filme dá um seguimento mais tortuoso. Como Uma Thurman a interpretar uma personagem irritante, ou uma namorada ingénua que, após ser vítima de violência, perdoa Jack, e arrepende-se rapidamente das suas decisões. É claro as intenções deste auteur vai mais para além que a mera controvérsia.

TheHouseTheJackBuilt_04

Estamos perante um filme onde Lars Von Trier tenta jogar com o espectador, esforçando-se para manipular os incidentes, explorando diversos sentimentos, como a empatia e a repulsa. Esta manipulação é feita de forma tão básica e frontal, que não sabemos até que ponto está a fazer de propósito, criando uma dúvida razoável. Mas Von Trier sabe o que faz e fá-lo de forma descarada, sem receio de ser apanhado, numa mistura entre estúpido e ousado.

  "Books of Blood" a caminho dos cinemas

É igualmente possível que seja esta a reacção esperada por parte dos seus críticos, uma reacção furiosa pela trabalho continuo que o realizador faz, trazendo sempre ao de cima a inevitável questão: Quando é que Lars Von Trier termina de vez a sua carreira?

TheHouseTheJackBuilt_02

Numa altura em que a cada novo filme, os habituais tendem expressar a sua opinião de forma zangada, fruto das provocações artísticas do autor, é importante ter em mente se será esse o verdadeiro objectivo do realizador, tentando estabelecer algum tipo de empatia com um assassino em série, que, para todos os efeitos, é uma pessoa fácil de se odiar? Ou será essa a beleza da arte e nós somos tal e qual como as vítimas deste filme para ele, irritantes, que não se calam enquanto o mesmo cria o caos?

No fim, resta dizer que a experiência de The House That Jack Built pode ser uma que cative a quem sabe exactamente ao que vai. Para os restantes, serão sem dúvida quase 3 horas de exibicionismo perverso, com qualidade palpável nula.

Nota Final: 4/10

  • The House That Jack Built estreia a 3 janeiro 2018 em Portugal

Ricardo du Toit

Ricardo Du Toit

Fã irrepreensível de cinema de todos os géneros, mas sobretudo terror. Também adora queimar borracha em jogos de carros.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *