Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Análise – The Sims 4: Werewolves

A noite cai. Ao longe, um uivo. Nas nossas casas, The Sims 4: Werewolves entra sem pedir licença.

É verdade, o mais recente Game Pack de The Sims 4 traz as criaturas já há muito pedidas pelos jogadores: os lobisomens. Seguindo os passos de Vampires e Realm of Magic, esta componente sobrenatural vem na forma de um Game Pack, com o novo estado de vida bastante desenvolvido e mais complexo que nunca na franquia.

Mantendo a tradição, o pack oferece um conjunto de objectos de vestuário e decoração. As roupas são o expectável de uma expansão sobre lobisomens, com muitos motivos rasgados e uma estética meio punk, e os objectos de decoração primam pela falta de perfeição estética residente em muitos outros packs, oferecendo móveis com aspecto usado e reciclado, com especial destaque para uma mesa que tem um livro debaixo de um dos pés a nivelá-la.

Os lobisomens podem ser criados logo a partir do Create-a-Sim ou através de uma mordida de um Sim lobisomem. A criação no Create-a-Sim é bastante desenvolvida, utilizando mecânicas de personalização semelhantes à de The Sims 4: Cats and Dogs, que permitem costumizar livremente o pêlo dos lobisomens, que podem seguidamente vestir qualquer roupa que um Sim humano vista. A possibilidade de criar um lobisomem completamente à medida do jogador certamente encantará muitos.

No entanto, é no gameplay que The Sims 4: Werewolves mostra as suas valências.

Criada a família, podem encontrar um lar no novo mundo incluído com o pack, Moonwood Mill. É um bosque meio misterioso, meio parque de campismo, e é lá que muitos dos segredos dos lobisomens serão descobertos. A EA investiu bastante no lore ao criar este pack, portanto explorar o mundo e as suas particularidades, ao mesmo tempo que se conhecem as duas matilhas residentes neste (Wildfangs e Moonwood Collective) revelará uma complexa história sobre os lobisomens no mundo dos Sims, e como são inimigos de longa data dos já veteranos vampiros.

Estes pedaços de informação sobre o universo dos Sims são uma delícia de ir encontrando, e já faziam falta após tantas expansões relativamente vazias no que conta a lore. O jogo é de simulação, é verdade, e compete ao jogador usar a sua imaginação para criar histórias; no entanto, ter certos pontos de partida que sirvam como gatilho a inúmeras narrativas é sempre um ponto positivo.

Jogar como um lobisomem é uma experiência diferente de qualquer estado de vida presente nos Sims. Os lobisomens possuem um medidor de raiva que aumenta continuamente, e esta é afectada por diversos factores como a lua, as necessidades do Sim e a sua interacção com o mundo.

Atingir o pico da raiva implicará um lobisomem descontrolado, a destruir objectos pelo mundo fora e a assustar os Sims à sua volta. Esta raiva pode ser controlada com diferentes habilidades presentes numa árvore de habilidades (semelhante à dos vampiros), que oferece uma mão cheia de melhorias, tornando a experiência lobisomem mais controlável e equilibrada.

É de realçar que este sistema de raiva é certamente mais interessante jogando com um lobisomem inserido numa família, pois a reacção dos outros à sua volta e as possíveis interacções, como a possibilidade de trancar a besta enraivecida num quarto para esperar que a raiva passe, tornam tudo mais dinâmico do que um lobo solitário a estragar a casa onde vive.

Ser um lobisomem também abre a possibilidade de pertencer a uma das duas matilhas presentes no jogo, e chegar ao topo destas matilhas requer um pouco de trabalho e investimento. Passar tempo de jogo no estado lobisomem, estabelecer laços com os outros lobisomens da matilha e escolher as habilidades certas à medida que se evolui são as chaves para chegar a Lobisomem Alfa.

É um sistema social interessante, e o que ganha em personalidade por serem duas matilhas ideologicamente contrastantes (uma procura a cura para a licantropia, outra quer ver um mundo dominado por uivos), acaba por perder na impossibilidade de criar uma matilha própria, com a devida sede e actividades específicas (algo perfeitamente atingível utilizando mecânicas semelhantes a The Sims 4: Get Together).

The Sims 4: Werewolves não é um mau pack. A ideia principal funciona, e o extenso lore do mundo incluído torna a viagem mais interessante. No entanto, é um lápis de dois bicos: é verdade que este estado de vida, presente desde o original The Sims, nunca esteve tão desenvolvido; no entanto a contínua separação em The Sims 4 de estados sobrenaturais que dantes vinham agregados em expansões com outras funcionalidades (neste caso, os lobisomens vieram em The Sims: Makin’ Magic, The Sims 2: Pets e The Sims 3: Supernatural) torna toda a experiência do jogo mais cara e fragmentada.

Para os amantes de lobisomens, este é o vosso pack. Para quem não procura este tipo de jogabilidade, o pack é tão especificamente só isso que efectivamente não vale a pena comprar.Nota: 8/10

The Sims 4: Werewolves está disponível para PC (Origin/EA App e Steam), Playstation 4 e Xbox One/Series X|S.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.