Análise: Era Uma Vez… em Hollywood!

Desde o seu primeiro filme, Cães Danados, Quentin Tarantino tem feito virar cabeças durante uma carreira de 18 anos, composto por agora 9 filmes, incluindo esta sua mais recente obra, Era Uma Vez… Em Hollywood.

Rick Dalton (Leonardo DiCaprio) e Cliff Booth (Brad Pitt) são os melhores amigos. Rick é actor e Cliff, o seu duplo. São inseparáveis. Mas Rick, após do estrelato da popular série de televisão Bounty Law, vê-se como um actor completamente falhado na sua transição para o cinema, limitando-se a conseguir pequenos papéis com pouca relevância para a sua reputação, e agora, forçado a ir a Itália para protagonizar spaghetti westerns. 
Num mundo curioso, Rick é também vizinho de Roman Polanski, numa altura em que o realizador era um dos mais importantes em Hollywood. A sua mulher é a actriz Sharon Tate (Margot Robbie). São pequenas coincidências que constroem Los Angeles de 1969, onde os perigos à espreita respiram personalidade.
É incrível a atenção do detalhe de Tarantino, onde literalmente tudo é visivelmente pensado ao mais ínfimo pormenor: desde a fotografia, à banda sonora, e aos diálogos decididamente memoráveis. Em menos de cinco minutos sentimos-nos verdadeiramente imersos nesta realidade, neste filme de história alternativa.
Serão naturais as comparações a Pulp Fiction, não só pelo seu brilhante elenco, como também pela quantidade de narrativas paralelas que decorrem nas duas horas e meia da película, a qual inclui a introdução da família de Charles Manson, o famoso líder do culto de morte, responsável por influenciar diversas pessoas em cometerem actos hediondos.
Era Uma Vez… em Hollywood não é o típico blockbuster, muito pelo contrário. É mais uma longa mostra de o que o cinema significa para Tarantino e a sua habilidade em recriar uma obra que visa preservar a ideia de viver um filme no grande ecrã. Pitt e Dicaprio é uma dupla que merecíamos já ter visto antes; Margot mostra-nos o seu lado mais Hollywood e as brilhantes aparições de Mike Moh como Bruce Lee e Margaret Qually como Cat, uma das seguidoras de Manson, garantem valiosos momentos de entretenimento. Esta é, sem dúvida, a derradeira carta da amor à 7ªArte, a qual Tarantino insiste que será o seu penúltimo filme antes de se retirar.
Por aqui, Era Uma Vez… em Hollywood poderia durar para sempre , sendo um dos raros momentos cinematográficos que a mestria de contar uma história com conteúdo e visivelmente apelativo, aliada ao grande ecrã, promete e cumpre ser uma das melhores experiências culturais de sempre e que deve ser apreciada mais que uma vez.
Nota Final : 10/10
  Era Uma Vez... nas Bilheteiras!

Ricardo Du Toit

Fã irrepreensível de cinema de todos os géneros, mas sobretudo terror. Também adora queimar borracha em jogos de carros.

You may also like...

1 Response

  1. Diogo Semedo diz:

    10/10 Bumba….completamente de acordo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *