Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

A Voz Humana de Pedro Almodóvar chega esta semana às salas

O novo filme de Pedro Almodóvar está prestes a estrear, com A Voz Humana a chegar a 15 de Julho às salas de cinema.

A curta-metragem é o primeiro projecto em inglês do realizador espanhol e a mesma será seguida por uma sessão exclusiva de Q&A gravada com Almodóvar, Tilda Swinton e apresentado por Mark Kermode.

Neste filme, uma mulher vê o tempo passar ao lado das malas do seu ex-amante (que deveria ir buscá-las, mas nunca chega) e um cão inquieto que não entende que o seu dono o abandonou. Dois seres vivos enfrentam agora o abandono. Durante os três dias de espera, a mulher só sai à rua uma vez, para comprar um machado e uma lata de gasolina.

A mulher passa por todos os tipos de humores, do desamparo ao desespero e perda de controle. Ela veste-se todos os dias como se fosse a uma festa, e pensa em atirar-se da janela, até que o seu ex-amante lhe liga, mas ela está num estado de inconsciência devido à quantidade de comprimidos que tomou e não pode atender a chamada . O cão lambe-lhe o rosto até ela acordar. Depois de um banho frio, revigorado por um café tão negro quanto o seu estado de espírito, o telefone toca novamente e desta vez, ela atende.

A voz humana é dela, nunca ouvimos a voz do seu ex-amante. Ao início, ela finge agir normalmente e com calma, mas está sempre à beira de um ataque de nervos diante da hipocrisia e maldade do homem.

A Voz Humana é uma lição de moral sobre o desejo, embora a sua protagonista esteja à beira do abismo. O risco é parte essencial da aventura de viver e amar. A dor está muito presente no monólogo. É sobre a desorientação e angústia de dois seres vivos que sofrem com o seu mestre.

Sobre o filme, Almodóvar disse o seguinte:

A realidade desta mulher é a dor, a solidão, a escuridão em que vive. Procurei deixar tudo isso perceptível, comovente e eloquente através da (sublime) interpretação de Tilda Swinton, mostrando desde muito cedo que a sua casa é uma construção dentro de um palco sonoro de cinema. Ao exibi-lo por todos os lados, saindo da decoração realista e aproveitando todo o espaço do estúdio, aumentei, por assim dizer, o tamanho do cenário onde o monólogo é executado. Misturei o cinemático e o teatral, combinando as suas essências. Por exemplo, quando ela está no terraço, esperando e olhando para a cidade, a única coisa que vemos é uma parede (a parede do estúdio) que ainda tem marcas de outras filmagens. Não há horizonte, a paisagem urbana não existe. Ela só encontra o vazio, a severidade e a escuridão.

Apesar do fato de ser falado em inglês, de ‘A Voz Humana’ ser a minha estreia nesse idioma e de a filmagem ter sido absolutamente idílica, não tenho a certeza se estou pronto para fazer outra filmagem em inglês. O que tenho a certeza é que posso dirigir Tilda Swinton na sua língua nativa. Acho que esta curta-metragem, habitada do início ao fim exclusivamente por ela, mostra a sua ampla gama de registos. Para a equipa, foi um presente ouvi-la falar e mover-se pelo set das filmagens. A sua inteligência e disposição voluntária tornaram o meu trabalho muito mais fácil. E, em particular, além do seu enorme talento, a sua fé cega em mim. Esse é um sentimento com que todos os realizadores sonham e o simples fato de ser concretizado é uma gratidão.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *