Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Undertaker 2 – A Dança dos Abutres

Jonas Crow está de volta em Undertaker 2 – A Dança dos Abutres, o segundo volume de uma série há muito esperada.

UNDERTAKER 2 A dança dos abutres

Jonas Crow, o cangalheiro, Rose, a governanta inglesa, e Lin, a criada chinesa, dirigem-se à mina de “Red Chance” para aí sepultar um antigo milionário que decidiu ser enterrado com o seu ouro. Têm, diante de si, três longos dias de viagem e cinquenta milhas percorridas na carroça fúnebre através dos abrasadores e poeirentos desfiladeiros do deserto. E, atrás de si, há toda uma multidão de mineiros exaltados que os persegue, apostados em não lhes facilitar a vida…

Assinado por Delabie, Dorison e Mayer, «A Dança dos Abutres» é o segundo tomo da série UNDERTAKER e, tal como o primeiro, conta com um enredo trepidante, servido por um desenho soberbo.

Esta série, difundida em 14 países entre os quais se inclui agora Portugal, obteve desde o início da sua publicação em França, em 2015, numerosos prémios e distinções. Salientam-seo Prix Saint Michel 2015 du Meilleur Dessin, o Prix Le Parisien 2015  de la Meilleur BD, o Prix 2015 des rédacteurs de scenario.com e ainda a distinção Album preferé des lecteurs de BD Gest 2015.

UNDERTAKER 2 A dança dos abutresUNDERTAKER 2 A dança dos abutresUNDERTAKER 2 A dança dos abutresUNDERTAKER 2 A dança dos abutres

Undertaker 2 – A Dança dos Abutres
de Xavier Dorison; Ilustração: Ralph Meyer
Ala dos Livros
isbn: 9789895472673
Capa Dura, Cores, 64 Páginas
16.65€
Compra Aqui com 10% Desconto e portes grátis

SOBRE OS AUTORES:

Argumento: XAVIER DORISON

Xavier Dorison nasceu em 1972. Depois de três anos numa escola profissional, durante os quais lançou um Festival de BD, começou a escrever o argumento para o primeiro volume de Troisième Testament (“Terceiro Testamento”) série desenhada por Alex Alice e publicada pela Glénat. Foi um sucesso. Seguiu-se o trabalho com Mathieu Lauffray no primeiro volume da série Prophet (Les Humanoides Associés, 2000), e depois com Christophe Bec na série Sanctuaire (Les Humanoïdes associés, 2001). Xavier Dorison estabeleceu, em muito pouco tempo, um estatuto firme no mundo da banda desenhada franco-belga, um estatuto confirmado com “W.E.S.T.” (Dargaud), que escreveu em parceria com Fabien Nury para um dos maiores nomes actuais do realismo, o desenhador Christian Rossi.

Mas Dorison não se limitou ao universo da BD. Em 2006, foi lançado o filme Les Brigades du Tigre, uma adaptação da série de TV com o mesmo nome, que Dorison voltou a escrever em parceria com Nury. Em 2007, trabalhou uma vez mais com Mathieu Lauffray em Long John Silver, granjeando de novo um enorme sucesso.

Em 2008, a Dargaud convidou Xavier Dorison para escrever o argumento do primeiro volume do “Mistério XIII”, uma sequela da famosa série “XIII”. O desenho foi confiado a Ralph Meyer, o que deu início a uma outra colaboração prolífica. Foi então que o par criou a épica história Viking “Asgard” (Dargaud). E em 2014, com Thomas Allart, Dorison produziu “H.S.E.” (Dargaud; Europe Comics 2017), um enredo de suspense sobre a possível queda em espiral de uma sociedade ultraliberal.

Trabalhador incansável, dedica-se simultaneamente a várias séries, para além de continuar a escrever argumentos para a TV e o cinema. Passando com facilidade do argumento para as séries já mencionadas, e ainda para Le Chant du Cygne (2014, Le Lombard), Red Skin (2014, Glénat) e o seu último e enorme sucesso Undertaker (Dargaud 2015, Europe Comics 2016), Dorison provou a sua habilidade para trabalhar em diferentes géneros, que vão do western ao drama histórico, sem nunca perder a força do argumento e a solidez estrutural que caracteriza o seu trabalho. Não é por isso de admirar que tenha sido chamado a continuar a série “Thorgal” (Le Lombard), um dos maiores ícones da BD franco-belga de todos os tempos.

Desenho: RALPH MEYER

Desenhador Nascido em Paris em 1971, Ralph Meyer era muito novo quando começou a cultivar a sua aptidão e interesse pelo desenho e por histórias. Quando chegou a altura de decidir o que fazer da sua vida, pareceu-lhe natural escolher a banda desenhada. Enquanto insaciável jovem leitor, apreciava o humor de Gaston Lagaffe e as aventuras de Black e Mortimer, bem como os problemas existenciais dos super-heróis vestidos à maneira que povoam as edições mensais de Strange. A sua descoberta do trabalho de Giraud (também Moebius) durante a sua adolescência terá mais tarde uma grande influência no seu próprio trabalho.

Com 20 anos, deixou Paris e mudou-se para a Bélgica para seguir o curso de ilustração no Instituto Saint-Luc, em Liège. Após três anos e finalizado o curso, começou a apresentar-se a várias editoras com um número variado de projectos, mas sem sucesso. Em 1996, decidiu apresentar o seu trabalho ao escritor Philippe Tome. Este apresentou a Meyer um argumento particularmente sinistro para trabalhar. Um ano mais tarde, lançam o primeiro volume de «Berceuse Assassine», uma trilogia (1997 Dargaud, 2016 Europe Comics).

Meyer fundou entretanto, com alguns outros autores, a “Parfois j’ai dur” workshop. Foi aí que realizou Des Lendemains sans Nuages, (Le Lombard; Cinebook,) que co-ilustrou com Bruno Gazzotti, sob argumento de Fabien Vehlmann. A seguir, ainda com Vehlmann, iniciou as series de Ficção Científica “IAN” (Dargaud; Cinebook), a qual relata as aventuras de um ser de inteligência artificial, completado com pele e nervos humanos. Em 2008, com Xavier Dorison lançou o primeiro volume da série XIII-Mistery, uma colecção da Dargaud pela qual recebeu, em Bruxelas, o Prémio St. Michel.

O ano de 2010 pareceu representar para Meyer uma reviravolta gráfica, ao efectuar Page Noire, com argumento de Denis Lapière e Frank Giroud. Em 2012, ele e Xavier Dorison voltaram a trabalhar juntos nas paisagens nórdicas do díptico Asgard, seguindo-se posteriormente a terceira colaboração na série Undertaker, a qual continua a conhecer junto dos leitores de vários países um crescente sucesso.

Cor: CAROLINE DELABIE

Curiosa por natureza, Caroline Delabie começou, desde tenra idade, a “meter o nariz” na imensa colecção de BD dos seus pais. É aí que descobre Gaston Lagaffe, Obélix, o Capitão Haddock e Thorgal. Estes, ensinam-na a ler.

E em breve muitos outros moradores da biblioteca se juntam a eles, acompanhando Caroline durante a infância.

Na adolescência, conhece Jojo (que depressa se tornou o seu melhor amigo), Violette, Brousaille, Gil Jourdan, Julien Boisvert, Pélisse…

Aquando do seu último ano de Arquitectura de Interiores, na Escola de Saint Luc, em Liège, e graças a Jean-Claude Hubert, um amigo ilustrador, Caroline conhece Ralph Meyer.

Ralph apresentou-lhe Joe e Martha Telenko, os personagens de Berceuse Assassine. Passa na sua companhia alguns serões agradáveis mas prefere, de longe, a companhia de Ralph. E decidem partilhar a maior parte dos seus serões, a ler.

Terminados os estudos, Caroline dedicou-se à profissão de Arquitecta Decoradora independente, embora a sua curiosidade tenha sido espicaçada pela coloração de BD, já que esse trabalho parece ligar o mundo das cores, que a apaixona desde que iniciou os seus estudos, e o seu amor pela BD.

Ralph aceita ensinar-lhe os seus segredos.

Assim, e durante vários anos, Caroline Delabie assume, em paralelo, a profissão de Arquitecta Decoradora e a de Colorista (I.A.N., XIII Mystery, Seuls, Asgard, Page Noire, Undertaker). Até que, por fim, decide tornar-se apenas colorista. Todavia, em 2014, essa curiosa insaciável completa a formação, em seu entender muito curta, de Guia da Natureza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *