‘Posto de Combate’ revisita a guerra no Afganistão, com Orlando Bloom, Scott Eastwood e Caleb Landry Jones

Foi uma das mais sangrentas batalhas da Guerra do Afeganistão a que se deu quando centenas de soldados talibãs emboscaram poucas dezenas de militares norte-americanos no pequeno posto militar de Kamdesh. Baseando-se em relatos verídicos, Rod Lurie apresenta a sua nova longa-metragem ‘Posto de Combate’ esta semana, a 6 de Agosto nos cinemas nacionais.

posto de combate

A força norte-americana no posto de combate de Kamdesh tinha sido destacada para projetos de desenvolvimento com as comunidades locais. Contudo, a localização geográfica no sopé de três montanhas tornava a base de 53 militares especialmente vulnerável a ataques de rebeldes – uma ameaça que veio a tornar-se realidade.

Com a decisão de fechar a base, os talibãs decidiram marcar posição, atacando o posto avançado com armas de fogo ligeiras, lança-granadas, metralhadoras pesadas e canhões sem recuo B-10, matando oito soldados americanos e ferindo quase mais duas dezenas. A Batalha de Kamdesh, como ficou conhecida, foi o mais sangrento confronto dos EUA na Guerra do Afeganistão.

posto de combate

Baseado no best seller internacional do jornalista Jake Tapper ‘The Outpost: An Untold Story of American Valor’, o argumento é adaptado ao cinema por Eric Jonhson (nomeado em 2011 ao Óscar de Melhor Argumento Original por ‘The Fighter – Último Round’). As nuances da política externa norte-americana não eram novidade para o realizador Rod Lurie, que tinha já explorado estes temas em ‘A Crise dos Mísseis’ e ‘O Jogo do Poder’.

O elenco principal conta com Orlando Bloom (‘O Senhor dos Anéis’, ‘Os Piratas das Caraíbas’), Scott Eastwood (‘Esquadrão Suicida’, ‘Velocidade Furiosa 8’) e Caleb Landry Jones (‘Três Cartazes à Beira da Estrada’, ‘X-Men: O Início’). ‘Posto de Combate’ estreia nos cinemas nacionais esta semana, a 6 de Agosto.

Hugo Jesus

Co-criador e administrador do Central Comics desde 2001. É também legendador e paginador de banda desenhada, e ocasionalmente argumentista.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *