Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

O Expresso do Amanhã 1 – Novela Gráfica VI (2020) Volume 1

Sai amanhã o primeiro volume O Expresso do Amanhã I – Os sobreviventes, uma obra-prima da ficção científica distópica criada por Jacques Lob e pelo desenhador Jean-Marc Rochette, pertencente à colecção Novela Gráfica 2020.

Um livro de culto que está na origem do filme Snowpiercer, de Bong Joon-Ho (o realizador de Parasitas) e da série da Netflix com o mesmo título.

Percorrendo a imensidade branca de um inverno eterno e gelado, de um extremo ao outro do planeta, circula um comboio que nunca pára. É o Expresso do Amanhã com mil e uma carruagens, é o último bastião da civilização!

O Expresso do Amanhã 1

O Expresso do Amanhã 1
de Jacques Lob e Jean-Marc Rochette.
Levoir/ Público
Preço – 10,90€
Nº páginas – 128
P/B
Capa dura
Formato – 190x260mm

O Expresso do Amanhã 1O Expresso do Amanhã 1 O Expresso do Amanhã 1 O Expresso do Amanhã 1 O Expresso do Amanhã 1 O Expresso do Amanhã 1

Sobre a colecção:

A Levoir e o Público lançam a 22 de Agosto e até 21 de Novembro a VI colecção de Novela Gráfica, em que apresentam um total de 14 livros que vão surpreender o leitor com histórias inéditas em português de Portugal, dois lançamentos a nível mundial e uma obra há muito esgotada e com grande procura.

Alguns dos autores desta colecção, já são bem conhecidos do público português uma vez que já estiveram presentes em colecções anteriores. Comecemos por Schuiten e Peeters os autores de A Febre de Urbicanda (2019) e que este ano voltam com Rever Paris.

Avancemos para o bem conhecido autor valenciano Paco Roca de que vamos publicar Andanças e Confissões de um Homem em Pijama, dois livros num só, que fazem parte da “Trilogia do Pijama”, em Junho a Levoir e o Público já tinham publicado o primeiro volume, Memórias de um Homem em Pijama.

E quem não se lembra da autora iraniana de Frango com Ameixas (2019), Marjane Satrapi, que nesta colecção apresenta Bordados, a história de algumas mulheres da sua família num registo divertido e sensível.

Guillem March o autor de Karmen também é um repetente, em 2019 esteve presente com Monika.

Hernán Migoya e Bartolomé Seguí responsáveis pela adaptação do romance de Manuel Vázquez Montalbán, A Solidão do Executivo, regressam mais uma vez para continuar a apresentar as histórias do famoso detective Pepe Carvalho que no ano anterior tinha sido apresentado em Tatuagem.

 The New Deal, de Jonathan Case, autor que ganhou um prémio Eisner pela sua participação numa antologia, foi considerada uma das melhores novelas gráficas de 2015 pela Amazon e nomeada para o prémio Reuben.

Uma estreia em termos absolutos é a do espanhol Tomás Guerrero, com O Neto do Homem mais Sábio, uma biografia em Banda Desenhada do escritor português vencedor do Prémio Nobel da Literatura em 1998, publicada com o apoio da Fundação José Saramago e que tem o seu lançamento mundial nesta colecção, numa edição que conta com um prefácio do escritor Valter Hugo Mãe, não por acaso, um dos vencedores do Prémio Literário José Saramago.

O canadiano Seth, o primeiro autor de BD a ganhar o prémio literário de Harbourfront Festival, conquistou os prémios Ignatz para Melhor Artista e Melhor Novela Gráfica em 1997, com A Vida é Bela, se não Desistires, título com que se estreia nesta colecção (e na edição em Portugal).

Outra obra que estreia em Portugal Arde Cuba do espanhol Agustín Ferrer Casas, arrebatou o Prémio José Sanchiz para a melhor Novela Gráfica espanhola 2018, enquanto o seu autor foi vencedor do galardão para o Melhor Argumento no Salão de BD de Donostia (San Sebastián) do mesmo ano.

Christophe Chabouté, estreia-se com a adaptação do conto de Jack London Acender uma Fogueira, obra com que ganhou em 2008 o Prix Cognac du Meilleur Album “One Shot”.

 As Paredes Têm Ouvidos de Giorgio Fratini teve uma primeira edição nacional, em 2008, mas que há muito se encontra esgotada.

Nos primeiros volumes, a colecção conta com o talento de dois autores galardoados com o Grande Prémio do Festival de Angoulême – a distinção máxima da BD europeia – pelo conjunto da sua obra. Jacques Lob, o criador de O Expresso do Amanhã e único argumentista a receber esse prémio, foi distinguido em 1986, por uma carreira que incluía colaborações com Jijé, Druillet, Pichard, Baudoin e claro, Jean-Marc Rochette.

A fechar a colecção temos o segundo lançamento mundial com, Ao Som do Fado, de Nicolas Barral uma Novela Gráfica que vai de uma forma emotiva e bem documentada contar a história de Portugal antes do 25 de Abril.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.