Cinema: Crítica – Homem-Formiga e a Vespa (2018)

O super-herói mais minúsculo do Universo Cinematográfico Marvel está de volta em Homem-Formiga e a Vespa. Estreia a 15 de agosto, vais perder a nova brilhante parceria?

Scott Lang (Paul Rudd) terá de lidar com as consequências das suas escolhas como super-herói e pai. 2 anos após ter-se juntado à equipa do Capitão América em Capitão América: Guerra Civil, Hope (Evangeline Lilly) e o seu pai, Dr. Hank Pym (Michael Douglas), continuam revoltados pela rebeldia do Homem-Formiga em levar o seu fato sem pedir permissão. Uma noite, Scott tem um sonho bizarro dentro de uma mansão desconhecida na pele de outra mulher e decide telefonar a Hope. Surge assim uma nova missão, o Homem-Formiga e a Vespa terão de se unir para combaterem novos vilões e desvendarem segredos do passado.

Homem-Formiga e a Vespa destaca-se sobretudo pela diferença entre o seu protagonista e restantes personagens do Universo Marvel. Scott Lang é um homem comum que teve a oportunidade de se juntar a este mundo fantástico. Esta sua história é ainda mais pessoal que a anterior e Scott faz o seu melhor para se tornar no melhor pai, ou avó (terão de ver o filme para compreender), do mundo. No entanto, Hope/Vespa consegue colocar o Homem-Formiga a um canto, e não é só pelas asas! O seu combate é extremamente elaborado, transita de tamanho com uma destreza excecional e tem um talento nato para manipular os seus inimigos. A única diferença é a capacidade de improviso que Scott Lang tem para certas eventualidades e obviamente o seu humor regular, que nunca desaponta.

Porém, a tentativa de comédia chega a ser por vezes demasiada e consegue arruinar algumas cenas dramáticas. Nada disto é culpa dos protagonistas, pois ambos fazem um trabalho excecional tanto físico como psicológico nos seus papéis e há um bom equilíbrio entre a seriedade de Hope com o lado infantil de Scott. Além disto, continua a haver uma tentativa em avançar com o romance entre os dois, mas poderia estar apresentada de uma forma mais clara, pois nunca chega a ser confirmado se a sua relação teve algum progresso no espaço de 2 anos entre o primeiro e segundo filme. Ainda em relação à comédia, Luis (Michael Peña), o melhor amigo de Scott Lang, continua presente nesta sequela e traz-nos novamente as suas narrativas confusas e hilariantes que favorecem ainda mais o humor do filme.

Nesta sequela, Homem-Formiga e a Vespa terão de combater contra Ghost (Hannah John-Kamen), uma mulher influenciada pelo Quantum Realm (reino quântico) que fora obrigada pela S.H.I.E.L.D a tornar-se numa assassina devido aos seus poderes impressionantes, mas que infelizmente não consegue controlar. Ghost precisa urgentemente da ajuda dos protagonistas e enfrenta-os brutalmente para obter o que procura ou poderá desaparecer eternamente para o reino quântico. É uma vilã com que nos conseguimos conectar facilmente, mas não tão memorável como Killmonger e Thanos. Contudo, permite-nos saber mais sobre este reino espetacular que faz parte do enredo principal do filme e no qual se passam várias cenas. Os efeitos especiais deste local são efetivamente geniais e resolve-se o mistério acerca da mãe de Hope, no entanto, nunca se compreende verdadeiramente como é que o tempo e espaço funcionam.

Para além de Ghost, existe um vilão um pouco desnecessário, Sonny (Walton Goggins), líder de um gang, mas que nos permite observar mais cenas de ação memoráveis em que os protagonistas brincam com os seus poderes e objetos do cenário. Um detalhe interessante neste filme é o modo como nos apresenta um twist cedo e deixa espaço para a progressão da narrativa relativamente ao reino quântico. Nomes como Laurence Fishburne, Michelle Pfeiffer, Bobby Cannavale, Judy Greer, David Dastmalchian, Randall Park, fazem também parte deste vasto elenco.

Homem-Formiga e a Vespa consegue ampliar o que tornou o primeiro filme num sucesso, faltando só o fator mistério e cativante que deu origem ao primeiro filme. Além disto, adiciona novas teorias ao enredo de Vingadores 4 (ainda sem título oficial).

  • Homem-Formiga e a Vespa estreia a 15 de agosto 2018 nos cinemas.

3.5/5

Tiago Ferreira

Bilhetes já à venda -> Onde Comprar e Imagens Exclusivas no nosso artigo

  Cinema: Crítica - Mutant Blast (2019)

Tiago Ferreira

Estudante de Cinema e Teatro, Crítico de Cinema, Fotógrafo novato e Cosplayer.

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *