Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Cinema: Crítica – Galilebre e o Templo Perdido

Numa palavra: genérico. E para ser honesto, não são precisas muito mais palavras para descrever ou apreciar “Galilebre e o Templo Perdido” (“Frangoelho e o Hamster das Trevas“, no Brasil)

Mas isto é uma crítica de cinema, e portanto exige um maior nível de análise… Tentarei ser breve.

Não sei se isto serve de consolo, mas “genérico” não é a única palavra que pode ser associada a este filme, “esquecível” e “banal” também se aplicam. Sim, eu sei, quase insultar um filme feito para crianças não é uma atividade muito saudável… Mas vá lá! Ser para crianças não é desculpa para o nível de esforço despendido neste filme. 

 

É que mesmo que eu me esforce para ver este filme na ótica de uma criança de oito anos, não o torna muito melhor. Cruzes credo, mesmo quando era criança já estava farto das histórias de superação. Que funcionam à primeira, e à segunda, mas que depois… Vocês sabem. O que quero dizer com isto é, se for pela história, ou pelo moral da história, existem melhores filmes por aí…

Eu sei que o que vou dizer a seguir pode ser mau mas… Uma Galilebre? Uma mistura entre uma galinha, e… uma lebre? A sério? – Uma pergunta. Porquê? – Qual é a justificação desta antropoformização? Nenhuma! Quer dizer… O filme é sobre um personagem que sente-se inseguro por ser uma mistura entre uma galinha e uma lebre. Ok. Mas porquê uma galinha e uma lebre? O filme nem sequer fala sobre esses animais, sobre o que é que cada um pode significar/representar… Isso só torna o conflito principal vazio. Tão vazio, que nós fazemos a pergunta: porque é que alguém sentiu a necessidade de fazer este filme?

O filme é inofensivo?

É. Os seus olhos (e os do(s) seu(s) filho(s)/filha(s)) não vão sangrar se vir este filme. Mas eu acho que devemos ser mais exigentes em relação a filmes para crianças, e este filme não as proporciona nada de especial.

Mas se os seus olhos não vão sangrar, os seus ouvidos certamente vão. A única objetividade presente neste texto é: a voz do protagonista, a que nós ouvimos mais vezes durante o filme, é aguda. É daquelas mesmo irritantes. Insuportável.

1/4 – Estrelas


Poderás gostar disto:

E finalmente a parte 2 dos filmes (e séries) de Junho, com: Thor – Amor e Trovão, Jurassic World: Domínio, Stranger Things, Elvis, Mínimos 2: A Ascensão de Gru, Sem Limites, The Flash, Buzz Lightyear, Ms. Marvel, e muito mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.