Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Análise BD: O Desastre do Palhaço

A Bedeteca de Beja continua a sua aposta na divulgação de autores ligados aos seus ateliês criativos, através dos fanzines da Coleção Toupeira.

Neste 15º título podemos conhecer a obra “O Desastre do Palhaço” de Andrew Smith, autor inglês radicado em Portugal, mais concretamente na cidade de Serpa.

Andrew com um estilo de desenho em que são evidentes as influências do seu trabalho profissional ou seja, a pintura, a ilustração e a gravura, apresenta-nos uma perturbadora história de ficção científica em que parece bem vincada a influência da pandemia do Covid-19.

Na noite em que uma patrulha vai destruir o inimigo, o chefe da mesma é contaminado por um mal desconhecido que o transforma num monstro assustador. Ou seja subitamente, surge um mal desconhecido que muda toda a vida dos intervenientes numa dimensão inesperada.

Numa mistura de ficção científica e terror, o próprio negro do argumento contagia a evolução da história, com páginas cada vez mais escuras, num interessante e genial apontamento de criação gráfica.

Tal como aconteceu durante a pandemia, em que o egoísmo e o egocentrismo das pessoas em geral, disparou por caminhos inesperados, também nesta história o protagonista acredita na vitória da sua patrulha ao fazer a ligação com a data do dia de um acontecimento pessoal marcante, em que conseguiu salvar-se em criança, desprezando tudo e todos e recebendo elogios por confirmar a lei de Darwin de que “os mais aptos sobrevivem”.

Porém a inesperada doença transforma-o num poderoso monstro que pode afinal não ser o mais apto.

Os restantes elementos da patrulha não têm influência no decorrer dos acontecimentos e são personagens tipo de qualquer patrulha de qualquer banda desenhada de aventuras sendo que ao longo da história descobrimos que afinal a guerra é fratricida.

O grafismo é interessante até pela mistura de técnicas e estilos, e o desenvolvimento da história é interessante e homogéneo.

Fanzine em capa mole agrafado, com páginas em papel baço de boa qualidade e com boa impressão.

Tempo de leitura:

  • O Desastre do Palhaço – aproximadamente 8 minutos

Um fanzine surpreendente e de descoberta, tanto a nível gráfico como da história, o que poderá não ser muito evidente numa primeira leitura.

O DESASTRE DO PALHAÇO

Andrew Smith

Editora: Câmara Municipal de Beja

Livro em capa mole com 18 páginas a preto e branco nas dimensões de 17,50 x 25 cm

PVP: 3,00 €

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.