Cinema: Crítica – O Bosque de Blair Witch (2016)

Blair Witch é uma mentira.

Pelo menos foi esta a mensagem que nos foi deixada pela muito odiada sequela do aclamado Joe Berlinger – que conseguiu tirar tudo o que o original tinha de bom e fazer a troca por personagens irritantes e uma faixa dos Nickelback na banda sonora (algo que pode ser mais assustador do que qualquer bruxa nos bosques). [fbshare]

bw-sg1Se o original representa uma das peças mais originais (embora Cannibal Holocaust tenha sido o pioneiro em found footage) e perturbadoras do género – com direito a uma inovadora campanha viral que mudou a maneira de vender filmes – a sequela ficou com a sorte de ser o equivalente a um brinquedo esquecido num cesto do Happy Meal.

Ground zero perfeito para a dupla de Adam Wingard e Simon Barrett ressuscitarem a série dos mortos com este Blair Witch (a tentar quebrar o record das muitas adaptações de Invasion of the Body Snatchers em combinação de títulos) – filmado em segredo como The Woods.

James (James Allen McCune) descobre um vídeo que indica que a sua irmã Heather, desaparecida em 1994, poderá ainda estar nos bosques de Burkittsville.

Com um grupo de amigos e locais, James parte à procura da sua irmã, mas rapidamente percebe que acabou de entrar no seu pior pesadelo.

Um elo de ligação ao original é bem-vindo, mas que acaba por ser tanto uma benção como uma maldição. 2/3 do filme são passados basicamente a re-criar o primeiro filme e embora exista um twist ou outro, a sensação de déja vu invade-nos por completo.

Claro que aqui há uma maior conta bancária para explorar, mas ao menos que achem tendas a serem sugadas assustadoras, a grande parte destes bosques já foram explorados em 1999.

  Estreia em Portugal de One Piece Stampede, em risco!

Há espaço para novidades? Sim! Especialmente no departamento de body horror, onde Wingard e Barrett deixam fluir as suas veias Cronenbergianas onde correm feridas inesperadas e líquidos indesejados.

E atenção, por dizer que em The Blair Witch Project estes elementos estavam mais efectivos, não quero tirar o rugido de leão que este próprio filme tem dentro de si. Não, nada disso. Esta dupla sabe nos assustar e dou-lhes aqui a honra de me terem apresentado uns dos últimos 30 minutos mais loucos e estupidamente intensos que vivi numa sala de cinema.

Com a oportunidade de explorar a mítica casa final, “Wingbarrett” (um novo nome para simplificar as coisas) leva-nos à mais infíma e sufocante das passagens, passando ainda pelos degradantes e labirínticos corredores. Uma impressionante peça de set design e uma curiosa expansão ao mythos do primeiro filme – o click definitivo da peça do puzzle!

Não, não é tão sólido como um You’re Next ou pulsante como um The Guest – mas recupera o estilo found footage do primeiro filme e muito provavelmente, fez-me ter três ataques cardíacos nos seus humildes 82 minutos.

Não, também não é perfeito, nem original até à medula (viver com a pressão do original não é o mais fácil), mas posso dizer que é uma sequela digna. A verdadeira sequela. A única sequela ao êxito inesperado que pegou fogo no final dos anos 90.

Uma viagem a tomar, mesmo para quem conhece este trilho.

stars-1

Tiago Laranjo

You may also like...

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *