Central Comics

Banda Desenhada, Cinema, Animação, TV, Videojogos

Análise – “Mata! Mata! – A Viagem de Wargus”

“Mata! Mata! – A Viagem de Wargus”, de Jaime Freire, editado pela Douda Correria, faz-me lembrar um manifesto surrealista, não apenas pelas ilustrações únicas de Nuno Freire, mas também pela audácia e ausência de normalidade em cada uma das viagens que Wargus, o nosso protagonista, toma no seu caminho.

Trata-se quase de um diário acerca das jornadas de Wargus, cada uma delas surpreendentes, com uma narrativa fantástica que aborda perigos, descobertas e encontros a repetir.

O leitor é convidado a seguir diferentes e desordenados capítulos da vida do protagonista, todos eles na sua condição de missionário e aventureiro. Conhecemos criaturas extraordinárias e mundos desconhecidos, alguns inóspitos, outros hospitaleiros.

A um canto da nave encontrava-se uma mulher deitada sobre o que parecia ser um
túmulo. Levitei na sua direção. Estava completamente nua e era jovem e muito bela.
Tinha a cabeça rapada e usava uma pulseira no tornozelo esquerdo. Fiquei preso à sua
figura. Amava a beleza, esta beleza alienígena, e por um momento esqueci tudo. Beijei-
a na face e soube então que estava morta. Reparava agora na marca de uma mordedura
de serpente localizada um pouco acima da pulseira que usava na perna. Larguei a
coronha do arco e abracei-a muito como se fosse um íncubo. Não havia aqui nada de
simbólico. A sua infinita solidão emocionava-me.

Para além dos aspetos surreais já mencionados, o Sci-Fi influencia também as imagens e detalhes de cada conto, entre uma mistura de universos medievais e espaciais.

As ilustrações são soberbas, a preto e branco, mas de leituras bem coloridas, as linhas dos desenhos pensam o espaço em que a ação decorre e acompanham perfeitamente as palavras. As formas dos locais e as suas figuras sublinham a poética textual.

Nada está desconexo ou a mais, tudo encaixa. Isto pode parecer irónico num livro que reflete e projeta múltiplas e diversificadas ideias, porém achamos sempre coerência entre traços e frases.

Concluímos que “Mata! Mata! – A Viagem de Wargus”, é um cenário sem limites, faltam criações assim, que testem a fronteira e mirem sem medo. Entre tantas caixas, é bonito achar conteúdo fora da caixa, sem caixa.

Jaime Freire, Escritor e Advogado, nasceu em Lisboa e vive na Figueira da Foz. Publicou, entre outros, os seguintes livros de ficção: O Homem da Superfície (Editorial Escritor), Conversa Na Ilha da Jana (Black Sun Editores), Os Dragões de Komodo (Black Sun Editores), Any Time is Tee Time (Angelus Novus) e A Japonesa Nua (Ed. de Autor). É também autor de vários ensaios jurídicos, como por exemplo O Desespero em Direito Penal (Julgar online).

Autor: Jaime Freire
Ilustração: 
Nuno Freire
Género:
Fantasia, Sci-fi
Editora: 
Douda Correria
Argumento: 8
Arte: 9
Veredito final: 8            

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.