Cinema: Crítica – Black Panther

(SEM SPOILERS) Bem Vindos ao Reino de Wakanda, um segredo bem guardado e por boas razões. O Central Comics já foi ver o Black Panther. Será este um filme para entrar no pódio da Marvel?

No seguimento da Guerra Civil T’Challa(Chadwick Boseman) está em luto pela morte do seu pai, o Rei T’Chaka(John Kani), e prepara-se para o suceder no Trono. É quando Ulysses Klaue(Andy Serkis) ressurge acompanhado pelo misterioso Killmonger(Michael B. Jorden) que T’Challa embarca na missão para os parar, mas os segredos do seu Pai desmoronam e cabe-lhe salvar o seu Reino.

Não há muito a dizer sobre Black Panther que não tenha já sido dito, a direcção é soberba quando não participa nos trambolhões da cenografia de sequências de acção (na maioria das quais, como habitual, a câmara não pára um segundo). O guarda-roupa, o design dos veículos e dos palácios, as paisagens, tudo no filme vibra cor num enorme festim para os olhos, Wakanda é um sitio lindíssimo em todas as suas facetas, uma verdadeira Utopia. A aliar-se aos visuais soberbos junta-se uma banda-sonora espantosa, na qual são poucas as músicas que não gritam “Herói Tribal”, forma-se assim uma explosão dos sentidos, o 3D e o IMAX não são obrigatórios, mas este filme exige um sistema de som à medida!

Na sua camada exterior temos um filme lindo com alguns solavancos no ritmo mas um história bem contada, no entanto durante o filme vamos tirando camadas e revela-se toda uma construção de diálogos e personagens espetacular!

No actual clima social, Black Panther é estupidamente relevante, vemos todas as vertentes dos conflitos e de quem participa nos mesmos. Vemos a dificuldade de negar auxilio mas compreendemos a sua necessidade, vemos a futilidade do combate mas compreendemos a sua inevitabilidade, vemos a vontade de salvar o mundo e a forma como não o fazer.

Temos aqui um filme multifacetado que celebra um dos mais culturalmente importantes personagens da Marvel, deliciando os espectadores com imagens e sons que em muitos casos redefinem a média pelo quanto a ultrapassam, e satisfazendo os que veem terceiras e quartas vezes com o conteúdo a analisar e absorver.

Black Panther torna-se então uma forte sugestão para todos os públicos.
8,5/10

-Henrique V.Correia


Análise BD: Ermal, Hanuram
e No Caderno da Tangerina