Bouncer está de volta, agora pela Arte de Autor

Bouncer: To Hell and Back, de Boucq e Jodorowsky, é o novo álbum duplo em português, 5 anos após o “Viuva Negra/Coração Dividido”, agora na nova editora Arte de Autor.

BOUNCER – TO HELL AND BACKEscrito e desenhado por Jodorowsky e François Boucq, TO HELL… AND BACK,  são os tomo 8 e 9 de Bouncer que eram inéditos em Português, e formam um duplo-álbum a não perder.

Bouncer é agora o dono de o INFIERNO, um dos principais saloons de Barrio City. Está é mais uma dessas cidades áridas do velho oeste, onde o estrangeiro de passagem encontrará mais facilmente úisque adulterado do que água, e terá mais hipóteses de dar de caras com  a morte do que descobrir um filão de ouro. Bouncer não é um homem violento, mas não se defende mal apesar da sua deformação física. Seja como for, não hesita matar para defender aqueles e aquilo que acha justo. Assim, Bouncer terá de ir até ao inferno para se vingar dos que ama e que foram vítimas da selvajaria que caracterizou a conquista do Oeste.

Para conseguir que Pretty John seja julgado pelos seus crimes, Bouncer terá de escapar da penitenciária de Deep-End, onde foi aprisionado. Situada no meio de um deserto repleto de serpentes e armadilhas, esta prisão é um ninho de ratos da pior espécie, com as suas próprias regras. Mas como quem manda é um verdadeiro diabo, não é fácil escapar daquele antro…

BOUNCER – TO HELL AND BACK BOUNCER – TO HELL AND BACK

BOUNCER – TO HELL AND BACK BOUNCER – TO HELL AND BACK

Bouncer: To Hell and Back
Argumento : Jodorowsky
Desenho : Boucq
Edição: Cartonada
Número de páginas: 128
Impressão: cores
PVP: 22€

Os autores:

JODOROWSKY

Alexandro Jodorowsky nasceu em Fevereiro de 1929 em Tocopilla, no Chile, e poderia dizer-se que, antes de se dedicar à Banda Desenhada e ao cinema, Jodorowsky fez de tudo. Filho de emigrantes judeus Russos,  em 1953 trocou o Chile por Paris. Jodorowsky trabalhou como palhaço, actor, romancista e encenador e em 1965 regressa ao Chile, onde roda dois filmes: El Topo e A Montanha Sagrada. Aí inicia igualmente a sua carreira de BD, criando a personagem Anibal 5, desenhada por Manuel Moro.

Em 1978 Jodorowsky e Moebius assinam o primeiro álbum em conjunto: Les Yeux du Chat. E é em 1980, pela mão de Moebius, que conhece a fama com a série As Aventuras de John Difool (o Incal), sendo inúmeros os títulos que se seguem em múltiplas parcerias (Alef-Thau, O Lama Branco, Juan Solo, A Casta dos Metabarões, para citar apenas algumas séries).

Jodorowsky recebe, em 1996 em Angoulême, o Alph’art do Melhor Argumento pelo primeiro volume da série Juan Solo.

Inicia em 2001 a série Bouncer (com desenho de F. Boucq) e em 2004 a série Bórgia (com desenho de Manara). Em 2008, termina a série Mégalex e inicia um novo ciclo da série Alef -Thau com o desenhador Marco Nizzoli.

A partir de 2010 realiza, com o desenhador chinês Dongzi Liu, Sang Royal e em 2014 junta-se a Georges Bess para a continuação de uma das suas séries de culto com La Légende du lama blanc.

Em 2016, o seu filme Poesia sem Fim  é  – tal como o fora  La Danza de la Realidad, de2013 – , seleccionado para a quinzena dos realizadores do Festival de Cannes. 

FRANÇOIS BOUCQ 

Nascido em Lille (França), em 1955, François Boucq inicia a sua carreira em 1974, realizando caricaturas políticas para revistas como  « Le Point », « L’Expansion » e « Playboy ».

Embora os seus primeiros trabalhos tenham um cunho marcadamente humorístico, « Cornets d’humour » (argumento de Philippe Delan, 1978), « Rock Mastard » (argumento de Delan), « Les Leçons du professeur Bourremou » (argumento de  Pierre Christin), “Les Pionniers de l’aventure humaine” (1984)… a partir dos anos 80, Boucq começa, a par do humor, a dedicar-se a histórias mais realistas. Surge assim, em parceria com o escritor americano Jerome Charyn, « A Mulher do Mágico » (1984) e « Boca do Diabo » (1989).

Dotado de uma capacidade de trabalho pouco comum (chegou a desenhar duas pranchas por dia, sem por em causa a qualidade que tinha proporcionado  a fama), François Boucq trabalhará ainda com o escritor e argumentista Alejandro Jodorowsky em « Face de Lua » (1991), em”Trésor de l’ombre” (1999) ou no western « Bouncer ».

François Boucq foi Grande Prémio de Angoulême em 1998 e a sua mais recente obra  « Le Janitor  – Tome 5 », com argumento de Y. Sente, foi publicada em França em Setembro de 2017.

Fonte: Arte de Autor


O português usado nas BDs Disney é o mais indicado?