NOVIDADE Polvo- “O Ateneu”, por Marcello Quintanilha

Marcello Quintanilha vai estar presente no AmadoraBD para apresentar o livro “O Ateneu” que irá sair pela editora Polvo, em Portugal.

 O ateneu - interior

Clica na imagem para aumentar

O livro será apresentado no próximo dia 04 de Novembro, pelas 15h, no Fórum Luís de Camões. Além do autor, o editor Rui Brito estará também presente.
Logo a seguir haverá lugar a uma visita guiada à exposição, “O cronista Quintanilha”, que inclui pranchas originais dos livros “Tungsténio”, “Talco de vidro”, “Fealdade de Fabiano Gorila” e claro de “O Ateneu”.

As sessões de autógrafos estão agendadas para os dias 04, das 17 às 18h30 e  05, das 15 às 18h.

Sérgio, 11 anos, tem de largar os brinquedos, o conforto de casa e o carinho dos pais, para começar uma nova fase da sua vida: o internato. É  matriculado no renomado Ateneu, liderado pelo ilustre director Aristarco, uma figura luxuosa e ostensiva. Se no início se deslumbra com a excelência que envolve o colégio, depressa se vê isolado num ambiente estranho. Um sistema repressor que fomenta a hostilidade entre alunos faz com que as suas ilusões rapidamente se evaporem. Sérgio tem de ser forte e aprender a lutar para se impor e sobreviver.

Seguindo o texto original de Raul Pompeia, Marcello Quintanilha cria uma obra-prima em forma de romance gráfico, adaptando o realismo crítico e o tom impressionista no clássico da literatura brasileira.

Capa O ateneu

O Ateneu
Marcello Quintanilha
POLVO
84 págs., cores e preto e branco,
capa a 4 cores, com badanas
PVP: 13,99 euros

O AUTOR

Marcello Quintanilha nasceu em Niterói, Brasil, em 1971. Começou, ainda adolescente, por desenhar histórias sobre artes marciais com o pseudónimo de Marcello Gáu. Mais tarde, em 2003, envolve-se na série “Sept balles pour Oxford”, para uma editora belga, com argumento do argentino Jorge Zentner e do espanhol Montecarlo. Estabelece-se, a partir de 2002, em Barcelona. Ilustrações suas surgem desde então nos jornais espanhóis “El País” e “Vanguardia”. Ao mesmo tempo, continua a produzir álbuns para o público brasileiro. Em 2005 foi dado à estampa “Salvador”. Seguiram-se “Sábado dos meus amores” (2009), “Almas públicas” (2011) e “O ateneu” (2012). “Tungstênio” (2014), “Talco de vidro” (2015) e “Hinário nacional” (2016) são os seus mais recentes trabalhos.

A edição francesa de “Tungsténio” foi premiada no Festival Internacional de Banda Desenhada de Angoulême (França) de 2016. Ainda em 2016 vence, no Brasil, um HQMix (categoria “Destaque Internacional”) pelas edições portuguesas de “Tungsténio” e “Talco de vidro”. Dose repetida em 2017.

“Tungsténio” dará um filme.

Fonte: Polvo


As novas revistas Disney
Defeitos e Virtudes!