Novo lançamento G.Floy – Homem-Aranha: Exposição Negativa – em formato Deluxe

Um novo volume da Marvel inaugura um novo formato na G.Floy Studio: o Comic Deluxe. E quem o inaugura só poderia ser o Cabeça de Teia em Homem-Aranha Exposição Negativa.

Homem-Aranha: Exposição NegativaEste formato tem o tamanho de 19 x 29 cms, e será aplicado às colecções futuras da Marvel (Marvel Deluxe) dedicadas a livros de argumentistas e artistas que já são bem conhecidos do público, muitos dos quais integram
já o catálogo da editora dinamarquesa, como Ed Brubaker, Esad Ribic, Rick Remender, Jason Aaron, Brian Vaughan, Cullen Bunn, etc…

No entanto este novo formato também será aplicado a vários outros lançamentos (como Wytches/Bruxas, de Scott
Snyder e Jock), e outros.

Homem-Aranha: Exposição Negativa chega hoje a bancas, e será distribuído em livrarias durante a semana que vem.

HOMEM-ARANHA: Exposição Negativa

A FOTO PERFEITA! O Homem-Aranha e o seu inimigo de sempre, o Dr. Octopus, enfrentam-se de novo numa brutal batalha de egos. Mas o temível Doutor tem uma arma secreta pronta a usar: Jeff Haight, fotógrafo no Clarim Diário, que quer perceber como é que aquele freelancer idiota do Peter Parker consegue sempre as melhores fotos e lhe rouba a primeira página!

Reúne a mini-série Spider-Man/Doctor Octopus: Negative Exposure #1-5, escrita por Brian K. Vaughan e desenhada por Staz Johnson.

Homem-Aranha: Exposição Negativa Homem-Aranha: Exposição Negativa

Homem-Aranha: Exposição Negativa
Argumento de Brian K. Vaughan e arte de Staz Johnson
G.Floy Studio Portugal
Álbum, formato comic deluxe, 120 pgs a cores, capa dura.
PVP: 12,99€

Homem-Aranha: Exposição NegativaHomem-Aranha: Exposição Negativa

Homem-Aranha: Exposição Negativa foi uma das mini-séries que escreveu ao longo dos anos para a Marvel, tal como Wolverine: Logan (com arte de Eduardo Risso, também editada pela G.Floy); um volume autoconclusivo, ideal para leitores casuais da Marvel, desinserido da cronologia, embora seja sugerido que a história se passa nos inícios da carreira do Cabeça de Teia. Um livro ideal para este mês de lançamento do novo filme do Homem-Aranha!

Brian K. Vaughan é um dos nomes maiores dos comics americanos, um argumentista com créditos firmados em todas as grandes editoras do mercado norte-americano. Depois de ter escrito para as editoras de super-heróis, DC e Marvel — para títulos tão variados como Batman, Ultimate X-Men ou Captain America – tornou-se conhecido com Runaways, que escreveu para a Marvel e que lhe granjeou enorme reconhecimento crítico (e um Eisner como Melhor Argumentista), e pelas duas séries que criou e escreveu para chancelas da DC e que o tornaram famoso: Y The Last Man e Ex Machina. Vaughan é também argumentista conhecido de televisão, e em particular conhecido pelos argumentos que escreveu para a série Lost, e para Under the Dome, a série baseada num romance de Stephen King, de que também é produtor executivo. SAGA, editado pela G.Floy (6 volumes já disponíveis) foi a primeira série que escreveu em que manteve total controlo criativo, razão pela qual a lançou na editora Image como série independente. Foi também a série com a qual obteve o seu maior sucesso crítico e comercial. Desde então, lançou We Stand on Guard, mini-série completa em 6 números, e a série regular Paper Girls, também na Image.

O britânico Staz Johnson tornou-se conhecido especialmente pelo seu trabalho em séries da DC, sobretudo Robin e Catwoman. Iniciou a sua carreira nos anos 80 como ilustrador para jogos e logo de seguida trabalhou para a Marvel UK e US em títulos secundários. Durante os anos 90, trabalhou também para o mercado inglês, mas aos poucos foi ganhado encomendas em séries importantes da Marvel (Thor). Depois de um período longo entre finais dos 90 e início dos anos 2000, em que trabalhou em exclusivo para a DC, Johnson tem dividido o seu tempo entre trabalho regular para a Marvel (Wolverine, New X-Men, Underworld, Cable & Deadpool, etc…) e projectos pessoais de ilustração e BD em Inglaterra.

Fonte: G.Floy


Eurocosplay 2017 e o fim do Central Comics Fest
Entrevista a Hugo Jesus