BD: Crítica – Constantine The Hellblazer #1-6

Foi com enorme surpresa que, em 2015, descobri o novo título “Constantine – The Hellblazer”, pela DC Comics. Aguardei até Janeiro de 2016 pelo 6º issue – que conclui um arco de história – para ler as 6 revistas seguidas e sem interrupções de tempo.

Constantine - The HellblazerÉ que, tratando-se de uma das minhas personagens favoritas, custava-me um pouco aguardar a chegada de um comic, mês a mês, para acompanhar uma história que se veio a revelar uma lufada de ar fresco na cronologia de uma das personagens mais carismáticas da DC.

(Clica nas imagens para ampliar)

John Constantine ganhou vida nas páginas de Swamp Thing (Alan Moore, Stephen Bissette e John Totleben) nos anos 80 – uma personagem envolta em sobrenatural, mistério e muito charme britânico e tem a sua história de vida um pouco espalhada por vários títulos, de entre os quais se destaca “Sandman”. Constantine, pensado para se assemelhar fisicamente ao cantor Sting, é também um “detective” um pouco arrogante e, ao que parece, tem os contactos certos para se embrulhar em aventuras ocultas e horríveis, normalmente com um séquito de amigos e conhecidos… mortos.

Em Março de 2015 foi anunciado que Tynion e Doyle pegariam na personagem para lhe atribuir um refrescante “recomeço”. Esta nova história pretendia mostrar um John Constantine, o homem que já enfrentou demónios, vampiros e fantasmas, de uma forma mais “leve”, com uma história mais pessoal, directa, com a personagem vista em situações mundanas, confrontando-se consigo mesma, moldando-se naquilo que conhecemos de si.

Sem querer desvendar muito, posso dizer que gostei desta nova abordagem, acompanhada de uma arte bastante energética, com um início fantástico, irreverente, talvez inesperado, até para Constantine. Tratei-a de facto como o que ela é: um recomeço, um “restaurar” de uma personagem icónica. Uma história de Constantine quando Constantine ainda não tinha… história.

Para uma fã de Hellblazer como eu, fica a faltar, no entanto, qualquer coisa… o sentimento de uma personagem um pouco mais áspera, vivida, moldada, a que estava habituada. Se se tratasse de uma “actualização” de Hellblazer e fosse lançada sobre o selo da Vertigo e não de um “recomeço” para John Constantine, dar-lhe-ia um 10. Atribuo-lhe assim um 7,5 porque não pude resistir, mesmo assim, a achar esta obra fantástica. Recomendo.

Constantine - The Hellblazer Constantine - The Hellblazer

Constantine – The Hellblazer #1-6
De Tynion IV – Doyle – Rossmo – Plascencia
DC Comics
Classificação: 7,5/10

Constantine - The Hellblazer

Andreia Lopes