BD: FIBDB Factóides – Parte I

Festival Internacional de Banda Desenhada de BejaVem aí mais um Festival Internacional de Banda Desenhada de Beja, que realizar-se-á de 31 de Maio, sábado (inaugura às 14h00 na Casa da Cultura) a 15 de Junho.

Como ainda não disponibilizado nenhuma informação sobre a edição deste ano, a organização envio-nos uma série de dados curiosos sobre todos os festivais até agora.

É impossível fazer a História da Banda Desenhada Portuguesa no século XXI sem passar por Beja. Vários vectores concorrem nesse sentido:

– Tem a Bedeteca mais activa do país.

– Beja tem ainda um número verdadeiramente impressionante de autores a trabalhar: 23 autores de banda desenhada! O que faz da cidade, a 3ª cidade com mais autores no activo em todo o país, a seguir a Lisboa e ao Porto.

– Beja tem também o Toupeira – Ateliê de Banda Desenhada mais antigo do país (desde 1996), que continua a funcionar na Bedeteca (todos os autores que referimos acima foram “formados” no ateliê). Tem ainda oficinas de formação regular, com crianças e jovens de várias idades.

Venham +5 #8              – Tem o fanzine de banda desenhada mais premiado da História da Banda Desenhada Portuguesa, o Venham + 5, que conta essencialmente com obras de autores de Beja.

– Continua a ser um centro difusor desta Arte, não só no concelho, mas um pouco para todo o país, com especial incidência no Sul.

– Tem contribuído decisivamente para a divulgação da banda desenhada portuguesa no estrangeiro.

– Tem um Festival Internacional de Banda Desenhada considerado por muitos como um dos melhores festivais do país (entra este ano na sua 10ª edição).

 

O FESTIVAL E OS AUTORES: 9 EDIÇÕES, 147 EXPOSIÇÕES, MAIS DE 400 AUTORES, 25 PAÍSES REPRESENTADOS

Ao longo das 9 edições do Festival realizaram-se 147 exposições e expuseram em Beja (individual ou colectivamente), mais de 400 autores de 24 países (Alemanha, Argentina, Bélgica, Brasil, Cabo Verde, Canadá, Chile, China, Croácia, Eslovénia, Espanha, Estados Unidos da América, Finlândia, França, Grécia, Itália, Japão, Noruega, Polónia, Portugal, Reino Unido, Roménia, Sérvia, Suécia e Uruguai.

 

OS AUTORES PRESENTES

Dave McKeanTêm passado por Beja muitos dos grandes nomes da banda desenhada mundial, como Craig Thompson, Dave McKean, David B., Fábio Moon e Gabriel Bá, George Pratt, Gipi, Hermann, Jean-Claude Mézières, Lorenzo Mattotti, Lourenço Mutarelli, Loustal, Max, Miguelanxo Prado, etc., etc. (para além dos nomes mais relevantes a nível nacional, como José Carlos Fernandes, Filipe Abranches ou Miguel Rocha).

No entanto, embora a “cobertura mediática” do evento assente em grande parte nestes nomes, uma das particularidades deste Festival reside no facto de se juntarem autores consagrados, portugueses e estrangeiros, com autores que começam agora o seu percurso na banda desenhada, conferindo uma atmosfera muito especial ao evento.

 

UM FESTIVAL ECLÉTICO

É um Festival muito eclético, que tem a preocupação de mostrar todas as tendências e movimentos neste âmbito, da banda desenhada alternativa, à chamada “banda desenhada de autor”, passando pela manga (banda desenhada de inspiração japonesa) ou pela banda desenhada franco-belga.

 

A PROGRAMAÇÃO PARALELA

Outra característica do Festival é o facto de insistir numa Programação Paralela muito diversificada ao longo dos seus 15 dias de duração: apresentação de projectos, ciclos de cinema, colóquios, concertos, lançamentos, noites temáticas, oficinas e workshops para todas as idades, sessões de autógrafos, etc.

 

star wars o lobo mauO MERCADO DO LIVRO

Outra vertente importante na Programação Paralela reside na aposta que é feita no Mercado do Livro, onde se encontram representados mais de 70 editores portugueses e estrangeiros e várias lojas especializadas.

O Mercado do Livro tem contribuído para aumentar significativamente a venda de livros de banda desenhada no nosso país, sendo Maio e Junho (altura em que se realiza o Festival) meses em que a venda de livros atinge um dos seus picos em Portugal.

 

OS NÚCLEOS NO CENTRO HISTÓRICO

Para além do núcleo principal, a Casa da Cultura (onde está instalada a Bedeteca), o Festival estende-se um pouco por todo o centro histórico da cidade, tendo patentes exposições (e também algumas iniciativas) em espaços como a Biblioteca Municipal, o Conservatório Regional do Baixo Alentejo, o Convento de São Francisco, a Galeria do Desassossego, a Galeria dos Escudeiros, o Museu Jorge Vieira – Casa das Artes, o Museu Regional de Beja, o Pax Julia – Teatro Municipal e a Sociedade Capricho Bejense.

Todos estes espaços estão situados a pouca distância uns dos outros, permitindo ao visitante percorrer os vários núcleos com facilidade. Para os visitantes vindos de outras paragens, é também uma ocasião para conhecer a cidade e as suas várias ofertas culturais.