Videojogos: Crítica – Actual Sunlight

Boas pessoal. Depois dum tempinho em pausa, volto hoje com a review por escrito dum dos jogos que falei no In(die)ground Live (no Central Comics-Con), o Actual Sunlight. Na altura da review ao vivo, o jogo era de borla, de momento custa $5 mas é uma versão mais completa/melhor em relação à original.

É uma aventura ‘’heavy-text based‘’ sobre a vida de Evan, todos os seus problemas e conflitos com o mundo que o rodeia e com ele mesmo. É importante notar que a minha crítica reflecte a versão que joguei anterior à paga. Actualmente podem existir algumas diferenças, que podem ser consultadas no site oficial do jogo. 

20Graficos:
Sendo um jogo feito basicamente em rpg maker, os gráficos são bastante simples. Semelhantes a um jogo de Gameboy Advance por exemplo, muito a base de personagens pixelizados com caixas de texto para diálogo. Ao longo do jogo somos presenciados também com artwork com qualidade.

Jogabilidade:
Com movimentos básicos e um botão de interacção controlámos o nosso personagem. O pouco que podemos fazer é uma desculpa para avançar na história que é contada maioritariamente com muito texto (que por sinal e muito bem escrito).

Durabilidade:
O jogo tem a duraçao de cerca de 1 a 2 horas. É uma aventura rápida e apesar de ser possível gravar o progresso, o ideal 19será jogar tudo duma vez para que a experiencia mantenha toda a intensidade.

Audio:
Tal como os gráficos o áudio do jogo mantém-se minimalista, completando apenas a jogabilidade.

Historia:
Controlámos Evan Winter, um jovem trabalhador em Toronto, enquanto ele está a passar uma fase complicada da sua vida. A pressão do trabalho, da vida pessoal, do seu contacto com o próximo… Tudo isto problemas para o nosso protagonista que aos poucos vai cedendo, deixando a cargo do jogador tomar escolhas quanto a certas atitudes.
O jogo não apresenta uma aventura fantástica ou acção desmedida. O jogo apresenta sim, uma história que tem o intuito de fazer o jogador pensar e, como tal, vou deixar a sinopse por aqui.

Geral:

15

Um jogo que aconselho qualquer um a jogar, com alguma excepção que refiro a seguir. É uma experiencia no mundo da depressão, da pressão de ter que ser o melhor, de tudo o que se faz ser em vão, em que as espectativas para o próximo não correspondem á realidade. Isto e muito mais, num jogo que aborda os problemas actuais com bastante seriedade que começa a faltar nos videojogos. É uma experiencia para (jovens) adultos fantástica, um personagem com quem nos podemos facxilmente identificar nos seus problemas.

Voltando então à excepção que falei em cima. Dado ser fácil identificarmo-nos com o personagem, o jogo abordar depressão e os problemas associados, a uma pessoa que sofra desta doença, poderá não ser tão proveitoso jogar. Por outro lado, é uma boa experiencia para alguem que queria conhecer esse lado para acompanhar melhor alguém.

Veredicto:

Mais que um simples jogo, representa uma experiencia num mundo pouco explorado, que é o da depressão. Uma história fortíssima contada através de bons textos, que merece ser experenciada por todos. Aconselho vivamente este jogo.