Crítica: Blacksad – A Silent Hell

Blacksad A Silent Hell coverBlacksad é sem dúvida uma das melhores BD’s de todos os tempos. Custa a crer que demorasse tanto tempo a chegar ao mercado americano. O dia chegou, e foi finalmente publicado o mais recente capítulo da história, Blacksad: A Silent Hell A Europa dificilmente verá melhor BD noir nos próximos tempos. Tudo graças a dois gigantes: Juan Díaz Canales e Juanjo Guarnido.

(clica nas imagens para ampliar)

Juan Canales escreve sobre um universo sem precedentes, onde os personagens são animais antropomórficos, com Juanjo a conseguir ser o espelho da imaginação de Canales. A obra Blacksad prova que a europa ainda consegue ter melhores argumentos e arte que a BD norte americana, e mais, que a BD não é só Blacksad A Silent Hell page 1uper-heróis. Tanto Canales como Guarnido conseguiram até agora resistir ao avanço dos gigantes americanos em contarem com os seus serviços, conseguindo manterem-se fiéis aos seus projectos. Isso já lhes valeu reconhecimento internacional, tal como os prémios mais conceituados da BD.

Ora os EUA acabaram por também eles não resistir. E se não é a DC ou Marvel a comprar os direitos de tradução e distribuição, a Dark Horse não ficou à espera de ver o que ia acontecer, e de rajada traduziu logo os três primeiros volumes da saga Blacksad, reunidos numa só revista, com o quarto volume a sair à parte por ser o mais recente.

Blacksad A Silent Hell page 2A história e arte são avassaladores. Blacksad é o nome do nosso personagem principal, um gato preto, que com o seu parceiro, Weekly, uma doninha, desvendam mistérios, numa história noir, mas sem perder o sentido de humor. No mundo de Blacksad podemos contar com toda a variedade de animais: cabras, hipopótamos, galos, todos estes animais substituem o Homem, onde temos uma sociedade que se reflecte na sua forma animal.

Dependendo do animal que a personagem é, é-nos logo possível identificar o seu extracto social, tal como a integridade, ética e moral desse personagem. Uma excelente ideia de Canales, mas de que pouco ou nada Blacksad A Silent Hell page 3serviria sem o talento de Guarnido. A arte de Blacksad, não tenho problemas nenhuns em dizê-lo, é das melhores do ramo. O estilo aguarela, colorido, sem esquecer os pormenores não é encontrado em mais lado nenhum. Não tenham dúvidas de que cada prancha de Blacksad é mesmo uma obra de arte.

Pela história sombria é difícil de descobrir quais as motivações dos personagens. É para nós uma viagem aos anos 50, e somos mesmo arrastados para o fundo da história. Neste volume acompanhamos Blacksad e Weekly pelo mundo do jazz, onde procuram um pianista desaparecido há alguns meses, que se julga estar perdido no mundo da droga.

Blacksad A Silent Hell page 4Em Portugal, felizmente, os quatro volumes já foram publicados pela ASA. Na altura de lançamento já aqui se falou dela, agora deixo-vos aqui o desafio de lerem os quatro volumes da saga. Ainda no ano passado, nos Trofeus da Central Comics, Black Sad: O Silêncio, O Inferno conseguiu o terceiro lugar na categoria Melhor Publicação Estrangeira.

Classificação: 10/10
Miguel Gonçaves