Lançamento: 12 – A DOCE

Léon conhece bem a Doce. Compreende-a melhor do que ninguém e antecipa os seus mínimos desejos.
O que é muito natural, depois de tantos anos passados juntos a devorar quilómetros. Porque a Doce, ou melhor, a 12.004, é uma locomotiva a vapor. Uma rainha da velocidade, com uma mecânica sofisticada, que é o orgulho do seu maquinista.
Mas os tempos mudam, os transportes eléctricos ganham terreno, e os dias da Doce estão contados.

Edição disponível com 2 capas diferentes (Vêr em baixo – Clica na imagem para ampliar)
É o 1º livro de BD com realidade aumentada.

12 a Doce Capas 12 a Doce página do interior
12 – A DOCE

Colecção: Schuiten
Nº de págs: 88
Impressão: a preto e branco
Autor: François Schuiten
Edição: capa dura
PVP: 21,90 Euros
Data de Lançamento: 18.09.2012
 

François Schuiten
Nasceu em Bruxelas, a 26 de Abril de 1956, no seio de uma família na qual a Arquitectura ocupa um lugar de destaque.
No atelier de Banda Desenhada do Institut Saint-Luc, conhece Claude Renard, com o qual realiza dois álbuns: Aux médianes de Cymbiola e Le Rail. Com o seu irmão Luc, elabora, ao longo dos anos, o ciclo Terres Creuses. Trabalha desde 1980 que com Benoît Peeters na série As Cidades Obscuras; estes álbuns foram traduzidos numa dezena de línguas e ganharam vários prémios.
François Schuiten participou igualmente na concepção visual de vários filmes, entre os quais Toto le héros de Jaco Van Dormael e Taxandria de Raoul Servais. Autor de diversos trabalhos de cenografia, concebeu o gigantesco pavilhão das Utopias que foi visitado por cinco milhões de pessoas na Exposição Universal de Hanover no ano 2000, bem como o pavilhão belga na Exposição de Aïchi 2005.
Em 2002, recebeu o grande prémio de Angoulême pelo conjunto da sua obra.