Lançamento: O Gato do Rabino – tomos 4 e 5 – O Paraíso Terrestre/Jerusalém de África

As edições ASA lançam esta semana os tomos 4 e 5 da série O Gato do Rabino, num álbum duplo. Esta obra de Joann Sfar teve início num tomo triplo lançado com o Jornal Público na colecção Os Incontornáveis da BD.

O Paraíso Terrestre
Durante uma viagem a Oran, o gato acompanha o Malka dos Leões na sua marcha pelo deserto. Nesta viagem, participam também o velho leão que acompanha o Malka há já trinta anos. Ao gato e ao leão junta-se ainda uma serpente que com eles conversa sobre a vida, a religião, a velhice e sobre os atributos do Malka como sedutor e contador de histórias…

Jerusalém de África
O gato percebe que a sua dona Zlabya não é feliz com o marido que dedica mais tempo aos livros do que a ela. Quando recebe uma encomenda vinda da Rússia, descobre que entre os livros está também um homem morto. São chamados rabinos, alunos, curiosos, mas ninguém sabe o que fazer. Tudo isto enquanto o gato tenta explicar-lhes, sem sucesso, que aquele homem afinal esta vivo…

O Gato do Rabino – tomos 4 e 5 - O Paraíso Terrestre/Jerusalém de África O Gato do Rabino – tomos 4 e 5 - O Paraíso Terrestre/Jerusalém de África
O Gato Rabino Vol. 4 e 5 (O Paraíso Terrestre + Jerusalém de África)

de Joann Sfar
Cores
Páginas: 136
Editor: Edições Asa
PVP: 21.90€

O Autor:
Joann SfarJoann Sfar nasceu em Nice em 1971, filho de mãe cantora e pai advogado. Foi educado segundo as culturas judia ashkenaze e sefardita, aprendeu hebraico e os princípios da Torá, mas também frequentou a escola pública francesa. Sfar, cujo apelido vem precisamente de sofer, «escrivão» em hebraico, depressa começou a inventar e desenhar histórias com a abundância que ainda hoje o caracteriza. A partir dos quinze anos começou a enviar mensalmente um novo projeto de banda desenhada a diferentes editores, trabalhos esses rejeitados com a mesma regularidade. Mais tarde, conhece Fred, Baudoin e Pierre Dubois, que se tornaram nos seus verdadeiros pais espirituais. Depois de um doutoramento em Filosofia na Universidad de Nice, estudou Belas Artes em Paris e apaixonou-se pelos cursos de Morfologia. Em 1993 cruzou a porta do atelier Nawak, o futuro atelier Des Vosges, onde conheceu Lewis Trondheim, David B., Jean-Christophe Menu, Emmanuel Guibert, Christophe Blain, Émile Bravo e Marjane Satrapi. Num belo mês de 1994, três editores diferentes propõem-lhe editar o seu trabalho. O seu primeiro livro, NOYÉ LE POISSON, foi publicado nesse mesmo ano por L’Association. Depois, a um ritmo aparentemente desordenado, Joann Sfar compõe obras de uma originalidade absoluta. A profundidade das suas histórias nunca exclui a diversão nem a sensualidade. Os seus personagens têm a mesma truculência que os de Albert Cohen. E o prazer de desenhar é nele tão comunicativo como em Quentin Blake. Graças a autores como Sfar, a banda desenhada eleva-se a um novo patamar.
Assinou já mais de cem obras de Banda Desenhada. Igualmente cineasta, é o autor de “Gainsbourg – Vida Heroica”, tendo também corealizado o filme de animação baseado na BD “O Gato do Rabino”.

Relacionados