Lançamento: Sangue violeta e outros contos

Sangue violeta e outros contos - capaA El Pep vai apresentar no dia 26 de maio de 2012, na Casa da Cultura de Beja, o livro de BD “Sangue violeta e outros contos“, da autoria de Fernando Relvas. A apresentação decorrerá no auditório da Casa da Cultura, inserida no programa do Festival Internacional de Banda Desenhada de Beja e contará com a presença do autor Fernando Relvas.

“É preciso é não ter medo da vida”

O livro “Sangue violeta e outros contos”, editado pela El Pep, reune as BD’s “Sangue violeta”, “Tax driver” e “Sabina” que tinham sidos publicadas no extinto semanário SE7E, entre os anos de 1982 a 1988. São as BD’s que mais marcaram a memória dos leitores do semanário. Um traço elegante e ágil, contrastado nas manchas negras num preto e branco nervoso e com um registo dinâmico do grafismo punk dos cartazes de concertos de música dos anos 80.

Sangue violeta e outros contos - interiorFernando Relvas nasceu em Lisboa no mês de Setembro de 1954. Começou a publicar bandas desenhadas no ano 1974, e em 1976 surge na Gazeta da Semana a BD “Chico”. Mais tarde publicaria na revista Fungagá algumas BD’s, “Uki o pequeno esquimó”, “Espaço 99 1/2”, “Chin Lung” e “O justiceiro do rio amarelo”. Colaborou também em fanzines como o Gorgulho e O estripador. Relvas colaborou em revistas diversas revistas de BD: Mundo de aventuras, Mosquito, LX comics, e em diversos jornais: O fiel inimigo, Pão com manteiga, Notícias da Amadora. Mas Fernando Relvas só começaria a ser célebre a partir da publicação (para uns a mais significativa de todas as suas obras) da BD “Espião Acácio” na edição portuguesa da famosa revista Tintin, tendo colaborado nesta revista, entre os anos de 1978 e 1982. Na revista Tintin publicou também as BD’s “Rosa delta sem saída”, “Cevadilha speed” e, um dos melhores contos negros vividos na periferia da grande cidade, “L123″. Com o fim da revista Tintin, Relvas inicia uma colaboração no extinto semanário SE7E que durou entre 1982 e 1988. É no SE7E que publica algumas das melhores experiências visuais em BD dos anos 80 e de escrita, em Portugal. No SE7E, publica BD’s a preto e branco e a cores: ” Sangue violeta”, “Concerto para oito infantes e um bastardo”, “Niuiork”, “Sabina”, “Tax driver”, “Herbie de best”, “O diabo à beira da piscina”, “Nunca beijes a sombra do teu destino” e um dos mais caricatos personagens lusitanos: “Karlos Starkiller”. Em 1993, editaria pela ASA o álbum “Em desgraça”, em 1995 editaria pela Livros do horizonte o álbum “As aventuras do Pirilau – O nosso primo em Bruxelas”, “Çufo” para o grupo de trabalho do ME para as comemorações dos descobrimentos portugueses. Em 1997, o álbum “Karlos Starkiller” inauguraria a coleção Bedeteca, da responsabilidade da Bedeteca de Lisboa. Em 1997 dita pela Mundo fantasma o álbum “L123” e “Cevadilha speed”. Em 1999 colaborou na exposição “Uma revolução desenhada: o 25 de Abril e a BD”, da responsabilidade da Bedeteca de Lisboa, Centro de documentação 25 de Abril da Universidade de Coimbra e do Centro de estudos socias da Universidade de Coimbra. Relvas publica actualmente em webcomics no seu blog: http://urso-relvas.blogspot.pt/.