Echo Vol. 1 e 2

Comprei os dois primeiros livros (e únicos até agora) completamente às cegas. Apenas reparei que as críticas eram sempre muito favoráveis.
Quando peguei nestes dois livros da série Echo disse uma palavra muito pouco recomendável numa casa de família… estava convencidíssimo que os livros eram a cores, e afinal eram “preto e branco”! Danei-me logo, foi como estar à espera de um sabor doce, e afinal sai uma porcaria amarga. Arrumei os livros na prateleira mais alta, e lá ficaram por uns tempos. Este fim-de-semana resolvi pegar neles, já me tinha passado a neura.
Bom, conforme cheguei a metade da leitura do primeiro livro, o “sabor amargo” sentido dias atrás transformou-se nalguma coisa que me soube mesmo muito bem!

Terry Moore tem uma narrativa excelente, muito sólida e a espaços achei que era mesmo brilhante. Quanto ao seu desenho, acho que aqueles “preto e branco” estão muito bons, e garantidamente, se a qualidade do papel fosse melhor a sua arte sobressairia muito mais!
Essa pecha, da falta de qualidade do papel, tem uma razão para eu falar dela… o livro é caro! Pelo preço dele, e sendo um livro a “preto e branco”, acho que a qualidade do papel poderia ser bastante superior.
Falando um pouco sobre o autor, Terry Moore, este é sobretudo conhecido pela série “Strangers in Paradise”, embora tivesse o seu dedo no “mainstream” norte-americano em livros/séries como “Spider-Man Loves Mary Jane”, “Birds of Prey” e “Runaways”. “Strangers in Paradise” é publicado por uma editora fundada pelo próprio Terry Moore: Abstract Studios. A Terry Moore e à sua série “Strangers in Paradise” foi atribuído um Eisner Award pela melhor série em 1996.
Falando um pouco sobre “Echo”, e como disse mais atrás, estão editados dois volumes:
– “Moon Lake”
– “Atomic Dreams”
O terceiro volume, “Desert Run”, sairá brevemente.
O livro começa com um teste militar a um fato protótipo e um aparelho de voo individual. Todo este conjunto obedecia ao mínimo pensamento de Annie, a cientista que desenvolveu aquela arma para a firma HeNRI. Depois de devidamente testado, os directores da HeNRI resolvem por um avião no ar e disparar um míssil contra a cientista. Esta aparentemente morre mesmo ali, e o fato é desfeito em milhares de pequenas gotas. Julie estava a tirar fotos no deserto quando se dá a explosão, muitas das pequenas gotas caiem-lhe em cima, outras em cima do seu carro. Quando chega a casa para além de não conseguir retirar nenhuma das pequenas esferas do seu corpo, estas agregam-se no seu peito, formando como que um escudo indissociável do seu corpo… mais, quando chega ao pé do seu carro, as pequenas gotas que estavam depositadas nele são atraído para o seu corpo também! Para Julie é só mais um problema, estando a passar por um processo de divórcio que não aceita, este problema só vem aumentar a sua ansiedade, sobretudo quando descobre que se alguém lhe quiser mal, o “pedaço” de fato depositado no seu peito reage imediata e violentamente com grandes descargas de energia.
A empresa HeNRI quer recuperar todos os pedacinhos do fato que foi espalhado pelo deserto, e aqui começa a caça ao homem (mulher, neste caso).
E então… o resto do fato? Onde pára? Pois é, não posso contar tudo… só o início!
Estes livros fizeram-me dizer duas palavras muito pouco recomendáveis, uma no inicio (já falei dessa primeira causa), e no fim do segundo livro, pois ficou num “cliffhanger” terrível!
Raios!
Recomendo esta série, e só me resta desejar o costume:
Boas leituras!

TPB
Criado por: Terry Moore
Editado em 2008 e 2009 pela Abstract Studio
Nota : 9 em 10
Crítica por: Nuno Amado